Fora do que te pertence, tudo é dor.

Conta a tradição que Siddartha Gautama, logo após tornar-se Buda, ensinou o que chamamos de As 04 Nobres Verdades, isso é um sutra conhecido como Sutra da roda do Dharma.

Nós estudamos este sutra na forma de 04 aforismos, e o primeiro é interpretado como:


FORA DAQUILO QUE TE PERTENCE, TUDO É DOR.


A felicidade existe como um aspecto do mundo em que estamos inseridos. Da mesma forma, existe também o sofrimento.

Você e cada pessoa a sua volta tem momentos de alegria e momentos de tristeza e sofrimento.

O Budismo Niskama Karma ensina que há 3 coisas que realmente pertencem a cada pessoa: O seu pensamento, a sua vontade e o que

você faz com seu pensamento e sua vontade.

Isso se dá porque qualquer coisa além dessas três citadas podem ser tomadas, perdidas ou estão atreladas a outros indivíduos; assim, não sendo absolutamente dependentes ou ligadas a você, não te pertencem.

Uma das leis da Natureza é a Lei da Impermanência. O dia inicia e termina, as pessoas nascem, envelhecem e desencarnam, sentimentos florescem e minguam. Seus bens materiais depreciam, quebram ou se desgastam.

Há uma frase budista que diz: “Nada é permamente, a não ser a própria impermanência das coisas”.

A Lei da Impermanência é expressada pelo que é chamado de Três Marcas da Existência: Anicca, Anatta e Dukkha.

Esses termos do dialeto pali são traduzidos e interpretados da seguinte maneira:

Anicca (impermanência): Todas as coisas são impermanentes.

Anatta (não-eu ou não-alma): Todas as coisas não passam de expressões temporárias da mudança, não possuem um “eu” eterno e verdadeiro.

Dukkha (sofrimento, insatisfação): Através das duas expressões anteriores, compreendemos que não há nada que cedo ou tarde não venha a transformar-se ou desaparecer, não podemos de fato controlar o que não nos pertence e o sofrimento acontece ao nos relacionarmos com isso.

Perceba que a satisfação de seus desejos causa insatisfação a outros indivíduos, pois aquilo o que uma pessoa toma posse ou usufrui não fica mais disponível da mesma maneira para outras pessoas.

Muito bem, o sofrimento existe para todos, em maior ou menor proporção. Logo, é acertado o ensinamento de muitos mestres de que as pessoas devem estar alertas aos seus sofrimentos – e estar alerta aos sofrimentos é encará-los com consciência, sem criar fugas às suas origens, mas entrar em contato com elas, pois assim torna-se possível descobrir suas raízes para melhor compreendê-las e, então, agir de maneira a reduzir e eliminar o sofrimento.


O verso de número 277 do Dhammapada diz o seguinte:

"Todas as coisas condicionadas são impermanentes. Quando se vê isso com sabedoria, uma pessoa afasta-se do sofrimento. Este é o caminho da purificação."



37 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo