CONTINUAÇÃO DO RELATO

CONTINUAÇÃO DO RELATO:

O jovem Ryuiti tinha apenas 21 anos de idade e havia sido ordenado asceta budista por Sariputra um dos mais antigos seguidores do Buda há apenas uns poucos dias.

Como parte da cerimônia de ordenação seus cabelos foram raspados.

Entre os seguidores de Buda haviam jovens vindo das castas altas e o próprio Buda era filho de um rei, mas mesmo sendo um pária Ryuiti que pertencia à casta mais baixa da Índia era considerado um “intocável”, mas ali, entre os budistas haviam pessoas de todas as castas e nenhum deles praticava esse tipo de discriminação.

Todos tinham maneiras gentis e ele recebia sorrisos e profundas reverências de todos, mesmo ainda se sentindo um tanto quanto desconfortável, por essas atitudes nunca antes recebidas até se tornar um asceta budista.

O povo mais simples os considerava monges, porque ainda não percebia que o Budismo não era uma religião.

Mas se o Budismo não era uma religião, já que não venerava nenhum Deus, o que era o Budismo então?

Uma filosofia de vida?

Ryuiti sabia que era muito mais que isso, mas não tentava explicar, pois considerava irrelevante qualquer tipo de rotulação para um estilo de vida que lhe tinha abençoado com tantas bênção que sua vida havia se transformado tremendamente.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Muitas pessoas associam a personalidade de alguém budista ao pacifismo, a serenidade, dizem “aquela pessoa é zen”. Isso acontece em virtude das informações que recebem sobre o budismo e pela indicaçã

Continuando: E aí vem a questão: o que leva as pessoas a não experimentarem? A resposta é longa, mas vejamos alguns pontos: - Existe a questão cultural, da pessoa que está aprendendo há séculos que de

“Não creia em algo porque está escrito em seus livros sagrados. Não creia em algo porque eu o digo. Traga à reflexão e à razão. Se isso a você fizer sentido, então alí deposite seu coração”. Muito bem