4 CONTINUAÇÃO DO RELATO

4 CONTINUAÇÃO DO RELATO:

Quando Ryuiti caminhava com o Buda e seus seguidores bhikshus tomado pelo vigor de sua juventude ele achava que todos caminhavam devagar demais, mas acabava se acostumando a caminhar devagar e isso lhe trazia paz ao coração.

A Ryuiti parecia que o Buda caminhava para contemplar e desfrutar da paisagem, não parecia ter a intenção de chegar a qualquer lugar que fosse.

E todos os bhikshus mantinham o mesmo passo, ninguém parecia ter pressa por ali, ninguém estava ansioso ou impaciente, todos pareciam cultivar a serenidade.

Aliás a serenidade era a tônica de todos, agiam de forma suave, pareciam equilibrados e tinham gestos tranquilos.

Percorriam grandes distâncias todos os dias, mas nunca pareciam se sentir cansados.

Para Ryuiti estar com eles era tudo que sempre desejou, ali havia o Buda, o Dharma e o Sangha, para que mais?

Buda ou Buddha é um título atribuído a quem atingiu a “iluminação perfeita” (Samma-sambodhi) também se traduz por “iluminado”.

Foi ele que descobriu novamente o...

Dharma ou “Lei Libertadora” também é traduzida por Doutrina, Justiça, Retidão, Qualidade, em geral é o nome que se dá aos ensinamentos do Buda.

Sangha ou congregação é o nome que se dá à Comunidade dos Ascetas Budistas, também chamados de monges budistas no Ocidente.

Buda, Dharma e Sangha compõe as três joias, ou Três Gemas (ti-ratana ou triratna) e os Três Refúgios (tisarana).

A Comunidade que se dedica à pratica dos Três Refúgios é denominada Ariya-sangha, ou comunidade dos santos.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Muitas pessoas associam a personalidade de alguém budista ao pacifismo, a serenidade, dizem “aquela pessoa é zen”. Isso acontece em virtude das informações que recebem sobre o budismo e pela indicaçã

Continuando: E aí vem a questão: o que leva as pessoas a não experimentarem? A resposta é longa, mas vejamos alguns pontos: - Existe a questão cultural, da pessoa que está aprendendo há séculos que de

“Não creia em algo porque está escrito em seus livros sagrados. Não creia em algo porque eu o digo. Traga à reflexão e à razão. Se isso a você fizer sentido, então alí deposite seu coração”. Muito bem