O Budismo é um caminho de espiritualidade prática

 

Nos dias de hoje, graças aos avanços da tecnologia e da cultura humana, as pessoas desfrutam níveis de prosperidade nunca antes igualados.


Quando nossos antepassados sentiam fome tinham que livrar o terreno de ervas daninhas, semear, regar as sementes até que brotassem, livrar os brotos de larvas, parasitas e insetos predadores, para só depois de muitos meses colher os grãos, debulhá-los, moê-los e depois de misturar a farinha assim obtida com outros elementos culinários igualmente difíceis de obter, assar essa mistura e obter o pão que mitigasse essa fome.


E aquele que preparava o pão podia, se cultivasse um bom relacionamento com outros artesãos, trocar parte de sua produção por outros bens preparados por seus vizinhos, para que todos pudessem desfrutar de uma vida tosca, cansativa e ausente de muitos prazeres.


E tudo isso demandando tempo, trabalho, esforço, cansaço e muita dedicação.

Hoje em dia tudo isso mudou.

Basta atravessar a rua, entrar em um supermercado e temos a nosso dispor uma imensa variedade de alimentos que nos poupam de todo esse trabalho e que podem ser adquiridos por um punhado de moedas. Mas apesar dos avanços tecnológicos e sociais, os armários dos banheiros estão repletos de medicamentos para depressão, problemas físicos diversos e não só para eles, mas também para problemas de origem emocional como a ansiedade, a depressão e as demandas que a preocupação semeia e frutifica fartamente nas mentes das pessoas que não aprenderam o básico indispensável para cultivarem uma vida feliz e realizada.


E para lidar com isso o que a maioria das pessoas faz?
Cultiva crenças, superstições e religiões de todas as formas, formatos, vestimentas e dogmas que alivia e consola com promessas de uma vida após a morte onde as injustiças serão compensadas de alguma forma.


E o que resta para os que necessitam de soluções imediatas e/ou não estão dispostos a esperar pelas promessas da salvação futura?

O Budismo não coloca os recursos para os problemas humanos na vida após a morte.

O Budismo compartilha soluções que podem ser aprendidas e praticadas nesta vida mesmo.
O Budismo Niskama Karma (Niskama Karma significa ação desinteressada, desapegada, sem fins egoísticos, voltadas à compaixão) oferece um caminho de Espiritualidade Prática que, por ser uma filosofia de vida, pode ser praticado por qualquer pessoa em busca da paz espiritual, independente das crenças religiosas que possua.

Sobre a Ordem Monástica e Filosófica Budista Niskama Karma

Nossa ordem tem por objetivo preservar os ensinamentos originais do Buda Siddhartha Gautama e transmiti-lo a todas as pessoas interessadas em minimizar a insatisfação desta existência.

O Buda resumiu sua filosofia em quatro aforismos fáceis de serem compreendidos, a saber:

1 – Fora daquilo que lhe pertence tudo é dor. Para facilitar a compreensão troque a palavra dor por “insatisfação” e procure compreender que o que lhe pertence não são as coisas que podem ser compradas nem que podem ser roubadas.

2 – A causa da dor é o apego. Compreenda que o querer e o desejar faz parte dos impulsos humanos básicos e geram a convivência social, a família e as realizações humanas. Mas o apego gera insatisfação (dor).

3 – Cessando o apego cessa a dor. Compreenda que embora o querer e o desejar sejam impulsos humanos básicos (observe o comportamento de um bebê) o apego é sempre uma escolha da mente e como tal pode ser disciplinado. Sempre considerando que o significado original da palavra “disciplina” é apenas “ensinar algo a si mesmo.”.

4 – O método para cessar a dor é a Senda Reta dos Oito Caminhos. A Senda Reta é denominada Ashtanga Yana em sânscrito e se compõe de oito partes:

  1. Compreensão Correta.

  2. Aspiração Correta.

  3. Palavra Correta.

  4. Ação Correta

  5. Meio de Subsistência Correta

  6. Esforço Correto

  7. Consciência Correta

  8. Meditação Correta.

 

RELIGIÃO X FILOSOFIA

Como o Buda tratava desta vida e não da vida após a morte e não se dedicava a ensinar sobre Deus, em nossa Ordem não consideramos o Budismo como uma religião, mas sim como uma filosofia de vida.

Não foi intenção do Buda Siddhartha Gautama apresentar ao mundo um método religioso. Dessa maneira, em nossa Ordem dedicamo-nos à questão do sofrimento humano, sua compreensão e o aprendizado necessário para fazer cessar a insatisfação (dor) e, por consequência, manifestar a felicidade.

Isso torna o Budismo um recurso insubstituível tenha você uma religião ou não, acredite em Deus ou não.

Mesmo que você tenha uma religião, tendo seu estudo ou sua prática a adoção do amor, da compaixão, os preceito de não praticar o mal e de promover o bem, estarão perfeitamente compatíveis com a prática do Budismo.

Para uma pessoa profundamente religiosa o Budismo é um excelente recurso de realização espiritual independente de qual religião ou denominação pertença.

​Compartilhamos nossos ensinamentos sobre o Budismo através de encontros presenciais que contam com estudo da filosofia budista e prática de meditação e também através de encontros virtuais, via internet.

Disponibilizamos ainda um curso de formação de ascetas (chamados no Brasil de monges ou monjas) para qualquer pessoa, independente de suas crenças religiosas. Clique aqui e tenha mais informações.

Receba um e-book gratuito de introdução ao Budismo Niskama karma clicando aqui.

Conheça Satyananda Apta, mentor espiritual da Ordem Niskama Karma. Clique aqui.

Conheça Atma Deva, coordenador de atividades e cursos da Ordem Niskama Karma. Clique aqui.

© 2019 por Ordem Monástica e Filosófica Budista Niskama karma

  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon